PESQUISA INÉDITA MOSTRA COMO É A DISPOSIÇÃO DO BRASILEIRO

 

Imagem

79% da população gostaria de ter mais energia para fazer atividades de que gostam

 

79% da população declara que gostaria de ter mais energia para fazer o que gostam – esse é um dos dados que foram revelados por meio de uma pesquisa nacional* representativa da população urbana de 16 anos ou mais, em termos de região, escolaridade, idade, sexo e PEA (população economicamente ativa) encomendada ao Instituto Ipsos por Pharmaton®, polivitamínico com Ginseng G115® que melhora a capacidade física e mental da Boehringer Ingelheim do Brasil. O principal objetivo era descobrir como anda a disposição dos brasileiros e entender se as pessoas realmente têm pique para fazer o que gostam em sua rotina diária.

 

A pesquisa feita com 1000 entrevistados foi realizada pela Ipsos em fevereiro de 2014 e, demonstrou que apesar de 91% se considerarem pessoas dispostas, mais de 2 terços delas (69%) realizam até 2 atividades por dia. As principais atividades realizadas são as básicas: trabalhar (62%) e ficar com a família e/ou amigos (42%). “Esse dado chama muito a atenção por sua contradição, pois, apesar de se denominarem dispostos para fazer o que gostam, as pessoas acabam realizando apenas atividades fundamentais do cotidiano, esquecendo-se que disposição é mais do que cumprir apenas o que é imposto pela rotina”, explica Joyce Aquino, gerente da marca Pharmaton®.

 

 

Se tivesse mais disposição, a maioria faria algum esporte (39%), seguido de trabalhar (29%) e cuidar do corpo/saúde (22%).  “A pesquisa nos mostra que falta disposição para as pessoas cuidarem mais de si mesmas. Os brasileiros querem ter energia para viverem de forma mais saudável, porém, o cotidiano agitado, o estilo de vida e o trabalho puxado influenciam no resultado. Poder praticar esportes, cuidar da saúde e até trabalhar de uma maneira mais proveitosa são o desejo de muitos”, explica  Leonardo Velloza, gerente de marcas de CHC.

 

A necessidade de desenvolver diversos papéis e conciliar os afazeres a uma rotina agitada é um desafio diário para os brasileiros. Além disso, a busca permanente por saúde, bem-estar e qualidade de vida está cada vez mais presente no dia a dia da população.  A pesquisa aponta que, embora 79% gostariam de ter mais disposição, somente 30% buscam uma fonte para aumentar a energia e poder render mais durante o dia, porém praticamente metade (48%**) dessas pessoas declararam que o fazem por meio de um sono bem dormido, ou seja, uma atividade que implica em menos tempo para si mesmos. Em segundo lugar, 40%** declararam exercícios físicos como meios de se ter mais disposição ao longo do dia. “A busca por energia de um jeito saudável envolve diversos fatores. Além do descanso e prática de exercícios físicos, é importante garantir os níveis adequados de vitaminas e minerais que o nosso corpo precisa”, finaliza Heloísa Guarita, nutricionista da RG Nutri.

 

Outros principais achados da pesquisa realizada:

  • Pessoas de 25 a 34 anos são as que se consideram mais dispostas (95%)
  • Moradores do Norte/Centro-Oeste e Nordeste aparecem como aqueles que realizam o maior número de atividades por dia, 37% e 32% respectivamente, afirmam fazer 3 atividades ou mais por dia, em média.
  • Destacam-se os moradores no Norte/Centro-Oeste entre os que apontam o trabalho como uma das principais atividades do dia (73% das pessoas destas regiões declararam o trabalho, enquanto no total, a proporção verificada é de 62% dos entrevistados). Também destaca-se no Norte/Centro-Oeste que 92% gostariam de ter mais energia para fazer o que gostam. Para o total, esta proporção é de 79% dos entrevistados.
  • As regiões Sul (45%) e Norte/Centro-Oeste (43%) são as que apontam a prática de esportes como uma das principais atividades feitas diariamente. Ainda assim, 50% dos entrevistados de Norte/Centro-Oeste declararam que praticariam esportes, se tivessem mais energia no dia-a-dia.
  • Apenas 12% dos entrevistados da região Sudeste afirmam nunca ou dificilmente conseguir realizar as atividades de que gosta, ou apenas realiza-las nos finais de semana/feriados. Esta proporção é de 27% entre os 1000 entrevistados.

 

* A amostra é probabilística na primeira etapa: seleção dos 70 municípios para as 4 regiões, abrangendo municípios com população maior que 1.000.000 habitantes; entre 500.000 e 1.000.000 habitantes; entre 100.000 e 500.000 habitantes;  menor que 100.000 habitantes. Na segunda etapa, sorteio dos setores censitários e a ultima etapa preenchimento de cotas com seleção aleatória das variáveis: sexo, idade, Ocupação, nível de escolaridade.

** Percentuais baseados nos entrevistados que declararam buscar fontes de energia para render mais durante o dia.

 

Sobre Pharmaton®

Pharmaton® é um polivitamínico com uma fórmula balanceada, desenvolvida e fabricada na Suíça, composta por 11 vitaminas, 7 minerais, oligoelementos e lecitina de soja. Além disso,  contém Extrato Padronizado de Ginseng G115®, uma raiz asiática milenar, com reconhecidas propriedades revigorantes. A formulação exclusiva  restabelece a energia e a disposição, permitindo um aumento da sensação de bem estar e promovendo melhora da performance física e mental, mediante o combate ao stress e a fadiga1, ajudando a favorecer o equilíbrio entre corpo e mente.

CVV reorganiza cartas reais de suicidas em nova campanha publicitária

O conceito demonstra que a confusão mental e emocional pode ser modificada para o início de uma nova fase da vida

Uma ideia simples, porém muito marcante, é a linha adotada pela agência Leo Burnett Tailor Made para uma nova campanha publicitária do CVV, ONG que atua gratuitamente na prevenção do suicídio há 52 anos.

A agência se baseou em cartas reais deixadas por pessoas que atentaram contra a própria vida. Os textos foram reescritos, utilizando as mesmas palavras, de forma com que os autores chegassem a conclusões diferentes. “Esse ato de reescrever sua própria vida ao reorganizar as ideias é um conceito fundamental da atuação do CVV”, comenta Adriana Rizzo, voluntária do CVV. “Muitas pessoas nos procuram porque as emoções se acumulam sem serem bem resolvidas, o que dificulta a clareza sobre as situações da própria vida. Ao se sentir acolhido, sem pressões ou cobranças, a própria pessoa reorganiza seus pensamentos durante a conversa com o voluntário do CVV e encontra outras saídas”, explica Adriana.

Diferente do que muitas pessoas acreditam, o suicida pede ajuda e tenta outras soluções até o ato final, porém, a falta de conscientização e de comunicação reduz as chances de prevenção do suicídio. A OMS aponta que nove de cada dez suicídios poderiam ser evitados. “Pelo menos 25 brasileiros morrem vítimas de suicídio diariamente”, afirma Adriana. “A ideia suicida é muito mais comum do que se pensa. Um estudo da Unicamp aponta que 17% dos adultos já pensaram seriamente em se matar”, complementa.

O CVV é um serviço gratuito e realizado exclusivamente por voluntários desde sua fundação, em 1962. A entidade oferece apoio emocional a pessoas que sentem a necessidade de conversar de forma aberta e acolhedora, sem receber críticas, julgamentos ou cobranças, seja pelo telefone (141), Skype, chat, e-mail, carta ou pessoalmente.

Sobre o CVV

O CVV – Centro de Valorização da Vida, fundado em São Paulo em 1962, é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal em 1973. Presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo. Os mais de um milhão de atendimentos anuais são realizados por 2.200 voluntários em 18 estados mais o Distrito Federal, pelo telefone 141 (24 horas), pessoalmente (nos 68 postos de atendimento) ou pelo site http://www.cvv.org.br via chat, VoIP (Skype) e e-mail.

É associado ao Befrienders Worldwide (www.befrienders.org), entidade que congrega as instituições congêneres de todo o mundo e participou da força tarefa que elaborou a Política Nacional de Prevenção do Suicídio do Ministério da Saúde.